As informações são de balanço publicado ontem (12) pelo Ministério do Turismo (MTur); de acordo com projeção da pasta, o número de viagens domésticas realizadas entre o fim de 2018 e fevereiro de 2019 será 2% maior que o registrado no mesmo período de 2017.

Para a presidente do Conselho de Turismo da FecomercioSP, Mariana Aldrigui, tal resultado pode ser considerado positivo. Ao DCI, a especialista recordou que o crescimento do setor como um todo em 2018 também deve fechar em 2%.

“São números positivos, mas ainda longe dos patamares de 2014”, recordou Mariana, que também é professora de Turismo da Universidade de São Paulo (USP). “A previsão de crescimento [do setor] para este ano era de 5%, então conseguimos menos da metade do que se esperava”.

Para a especialista, não é surpreendente que São Paulo seja o destino mais visado por turistas domésticos durante a temporada de verão. Por outro lado, Mariana observa que o caráter dos deslocamentos para o maior estado do País é transitório em parte relevante das ocasiões.

Isso valeria para situações onde “turistas ficam um ou dois dias em São Paulo” por conta de conexões em Guarulhos (SP) ou quando “as pessoas que aproveitam dezembro fazer compras” em regiões como a da 25 de Março. Também é relevante a parcela dos viajantes “que retornam para São Paulo para passar as festas com a família”, lembra Mariana Aldrigui.

Por último, a especialista também recorda que “2019 será o ano de consolidação do carnaval paulistano”, ampliando assim o fluxo de turistas para a região durante o primeiro trimestre do ano que vem.

ProjeçõesSegundo o levantamento do MTur, depois de São Paulo e Rio de Janeiro os estados mais visados na temporada de verão devem ser Bahia (destino de 7,13 milhões de viagens), Santa Catarina (5,86 milhões) e Minas Gerais (5,3 milhões). O ranking ainda tem Rio Grande do Sul, Paraná, Ceará, Pernambuco e Goiás fechando as dez primeiras colocações.

“A projeção é de que a demanda reprimida dos meses anteriores se concretize em vendas para a alta temporada, incluindo Natal e Reveillon”, sinalizou a presidente em exercício da Associação Brasileira de Agências de Viagens (Abav Nacional), Magda Nassar. A expectativa da entidade é de vendas de 18% a 20% maiores que as registradas no ano passado.

Em nota, Magda citou que os destinos mais demandados na percepção da Abav Nacional estão “no Nordeste, especialmente no Rio Grande do Norte e Ceará”. Além disso, a dirigente também destacou a região de Foz do Iguaçu (PR).

“[Ela] vem numa crescente este ano, por conta das inovações em termos de atrativos, que hoje vão muito além das Cataratas, e da renovação e modernização do parque hoteleiro”, sinalizou.

Vale lembrar que as viagens “fechadas” via agência de viagem ficam, em termos de volume, atrás daquelas organizadas pelos próprios turistas. “Acredita-se que elas representem 60%, enquanto as intermediadas [por agências] estariam em torno de 40%”, estimou Mariana Aldrigui.

Dentre os deslocamentos intermediados, 40% visariam destinos internacionais, de acordo com a Abav Nacional. “Em geral esse período da temporada é bom para o internacional, especialmente para destinos de neve e Disney (EUA). Eles atraem famílias e esses são meses de férias escolares”, afirmou Magda Nassar, citando ainda Argentina, Chile, Peru, EUA, Espanha, Portugal e França, além da região do Caribe. “Há procura intensa, aquecida com o lançamento de novos voos para Cancun (México)”, lembrou.